Grande parte da população é, por definição prática, seres que buscam a própria felicidade. Claro que estou me referindo àqueles que fazem parte da nossa convivência diária, como família, clientes, amigos, conhecidos. Se formos considerar o meu círculo mais o seu, mais o do seu amigo, mais do amigo dele, vamos ter uma população que tem por meta em vida, a felicidade.

Pesquisas mostram que pessoas felizes não são as mais ricas, e sim as que mais praticam pensamentos e atos que trazem a elas prazer. Isso tem me intrigado bastante; percebo cada vez mais nas redes sociais e em conversas com clientes e pessoas próximas a mim, que esse grupo de pessoas está cada vez mais descontente com a vida que leva. Na fotografia, todo mundo feliz, mas na vida prática, não me parece muito a realidade.

Estranho imaginar que a felicidade tão almejada está distante da gente. Mas a pergunta é: o que o faz feliz? Você já parou para pensar se você é feliz? Você tem trabalhado na sua vida pela sua felicidade? A SUA felicidade é prioridade para você?

Acredito na energia das pessoas que circulam nosso cotidiano, até mesmo em redes sociais – infelizmente mais essencial que a presença real das pessoas. Pense comigo: quando você está ao lado de alguém que está chorando, você começa a dar risada? Quando você está perto de alguém que só reclama e fala mal dos outros, critica tudo, nada está bom, você sai de perto dessa pessoa super animado, pensando: hoje é meu dia de sorte! Claro que não!

Pois então, vou propor o oposto disso. Pense em como olhar alguém sorrindo o que nos provoca. E ver uma boa gargalhada, não dá vontade de rir e muitas vezes  nem sabemos o porquê?

O tempo está cada vez mais curto, você já notou? E o que eu mais encontro por aí são pessoas dizendo como se sentem acima do peso, ou precisando melhorar alguma imperfeição no rosto, ou como está infeliz no emprego, o casamento que não anda bem, o filho que não conversa… São tantos pontos negativos, que essa conversa seria interminável.

Parece que essa energia está contagiando todo mundo, minha gente. A minha intenção aqui não é elencar os problemas do dia a dia, que imagino serem muito semelhantes com os meus, claro. Somos humanos, poxa. Agora vai aí uma proposta que espero mexa com você. O que você está esperando na sua vida para ser feliz? Será que você vai esperar o casamento chegar? A formatura? O chefe chato ser demitido? Seu filho decidir bater um papo com você? Ou então, vai esperar a próxima segunda-feira para iniciar uma dieta, ou um procedimento estético? Você já experimentou receber uma massagem? Já recebeu uma reflexologia? E meditação? Isso é muito longe do que faria você feliz nem que fosse por alguns minutos?

E se esses minutos virassem horas e de repente ao invés de insatisfeito, você se desse conta de que você é uma pessoa feliz de verdade com momentos de infelicidade que qualquer pessoa pode conviver? Será que você se permitiria ser realmente feliz sem culpa? Acho que essa seria uma conversa para outra hora.

O presente tem esse nome não é por acaso. Ele pertence a você. Nunca vamos mudar nosso passado ou viver do amanhã. O presente é seu e só você poderá fazer com que ele seja belo como você merece.

Isso é contagiante.

 

Por Ana Lúcia Zalaquett.

Esse conteúdo foi primeiramente publicado em 13/7/2016 no site http://www.elizabethmonteiro.com.br/post/36/prioridades.aspx